Sexta-feira, 21 de Março de 2008

"9ºC em grande!"

 

Assisti ontem boquiaberto ao vídeo colocado no Youtube que mostra a agressão de uma professora por parte de uma aluna, que não queria ver o seu telemóvel confiscado. «Dá-me o telemóvel, já!», dizia a criatura, enquanto os outros espécimes riam, filmavam, insultavam, ou seja, enquanto os outros faziam tudo menos ajudar a sua professora. «Olha que a velha vai cair!», balia o cameraman.
Uma vergonha, mas o que é mais vergonhoso é que este não foi um caso inédito - no próprio Carolina não é a primeira vez que algo de semelhante se passa. Segundo o Público, no ano lectivo de 2006-2007 houve uma média de 185 agressões a professores nas escolas portuguesas. 185!

Não querendo correr o risco de generalizar, este caso é consequência de uma “democratização” do ensino, ideia peregrina do pós-25 de Abril, onde a autoridade é vista com maus olhos, porque, enfim, criou-se a ideia de que “autoridade” é sinónimo de “fascismo”… Isto implica nivelar por igual a posição de professor e aluno e, assim, qualquer reprimenda por parte do professor é vista como um ataque pessoal que tem que ser respondido à letra, conforme manda a má educação que os pais lhe deram. Acontece que “autoridade” não é sinónimo de “abuso” ou “julgamento”. É sinónimo de disciplina e sobretudo de respeito mútuo, autoridade sem a qual casos como este continuarão a acontecer.
Quebrando-se as amarras, o navio voga à deriva!

Publicado por Afonso Reis Cabral às 15:17
link para a posta | Comentar
16 comentários:
De Lee a 21 de Março de 2008 às 17:44
De facto, é a falta de respeito levada ao extremo.
O pior é que nos comentários do vídeo no youtube, aparecem diversas figuras a atacar a professora, em defesa da aluna. Isso si, é chocante!
De Jose Sousa Pinto a 21 de Março de 2008 às 21:25
Se há algo que me irrita e que não entendo na "luta" dos professores, através de marchas de indignação e quejandas é que -se não nego que terão motivos para o fazer- não me parece que o façam por motivos que considero os mais válidos. Um dos principais tem a ver com a defesa da enorme dignidade da profissão, designadamente através da gradual perda de autoridade dos professores!
Os alunos de hoje (embora existam certamente excepções) não são mais do que meros energumenos que julgam estar ao nivel do professor (problema exponenciado pelos paizinhos que tudo dão aos filhos sem os mesmo nada terem feito o merecer). Neste caso sobressai o facto de (sendo proibido o transporte de telemóveis para a sala de aula) a aluna exigir a devolução do seu ... telemóvel, tudo filmado por outro ... telemóvel, assistido por alunos certamente carregados de telemóvel (geralmente de ultima geração) no coldre!
Não se resolveria esta situação facilmente com um par de estalos e uma ordem de expulsão da sala de aula?
Mas não esqueçamos o outro vector em análise: os pais. Não raro vão exigir satisfações ao professor não hesitando em acreditar na palavra dos seus pios filhos!..
Penso que há muito a mudar na educação, mas se calhar não é bem apenas o que os professores reclamam.
De Magri a 22 de Março de 2008 às 13:58
Só nos indignamos porque isto apareceu na Internet e depois na TV.
Não fora isso e seria mais um dos muitos episódios sem história, que acontecem todos os dias nas escolas portuguesas.
O nº de agressões é muitíssimo maior que o oficial, já que a maior parte não são participadas, ou ficam ao nível das escolas.

O problema é de fundo e é urgente.
Que cidadãos estamos a preparar?

Também tratei deste assunto no meu blogue, já que conheço estes problemas "por dentro", e sei que eles não são pontuais, nem acontecem só nas grandes cidades.
De Anónimo a 23 de Março de 2008 às 00:16
Isto é uma vergonha!
Eu sou aluna e é me impensavel responder mal e sem educaçao a um professor, quanto mais uma cena destas!
E deva-se dizer que o menino que filmou e o resto da turma também têm a sua cota de culpa.
É tudo 1 vergonha neste sistema educativo.


Rita M.
De BH a 24 de Março de 2008 às 11:43
Ora vejamos!
Com calma comecemos pelo princípio:
A Professora não estava vestida para dar aulas mas sim para andar na rua. E andar na rua à chuva.
Sim, porque alguém que veste uma gabardina é porque espera proteger-se da chuva e ela só acontece ao ar livre. E isto está mal. A forma de vestir deve estar adequada à função que se exerce: alguém que se prepara para fazer pesca submarina veste fato protector, óculos, respiradouro ou garrafas de oxigénio e barbatanas; alguém que se prepara para jogar futebol veste uns calções, uma tshirt e umas chuteiras; alguém que vai a um baile veste smoking ou casaca e alguém que lecciona, veste um fato adequado e só vestirá uma gabardine se a lição for ao ar livre e se espera chuva.
Temos pois que a Professora estava mal vestida. Ou seja, a Professora não estava vestida de acordo com a função que exercia. E a partir desta disfunção tudo podia acontecer. E aconteceu.
Mas porque raio a senhora estava de gabardina?
Ah! Essa é uma questão importante. Acontece que as escolas não têm aquecimento central e são geladas. Acontece que a degradação de um edifício que não vê obras de manutenção há muitos e muitos anos é quase obscena e é gélido no Inverno. Hoje já é Primavera mas então era Inverno.
E aqui temos a primeira situação que alegremente todos aceitam: as escolas não são aquecidas e ocasionalmente chove como na rua. Em consequência os professores vão equipados em primeiro lugar para se defenderem do frio e da chuva e depois para leccionarem. Reparem, só se preparam para leccionar em segundo lugar.
Temos pois que não há lição sem gabardina, da mesma forma que não se pesca sem arpão.
Isto não é primordial?
Claro que é!
Qual é o condutor que é obrigado a parar se
um policia à paisana lhe faz sinal de stop?
Como se reconhece a autoridade de um policia à paisana?
Como se reconhece a autoridade de uma instituição que disponibiliza salas de aula geladas e húmidas?
Como se reconhece a autoridade de uma professora de gabardina?
Já viram o que seria o Presidente da República a discursar na Assembleia da República em mangas de camisa?
Aqui radica tudo.
Mas continuemos:
A Professora não faz a menor ideia do que é o exercício da autoridade. Simples e unicamente não se deu ao respeito.
Uma professora que entra em confronto físico com uma aluna perde a razão no acto.
Não tem qualquer competência para o ser. É que não basta saber a matéria, é preciso saber expô-la; comunicá-la; transmiti-la num ambiente de respeito e silêncio. E isto, manifestamente não era o caso.
Havia telemóveis na sala? Náo devia haver. Se os havia a responsabilidade foi da professora que os deixou entrar. E havia pelo menos dois: o da energúmena que queria o dela de volta e o do energúmeno que gravou a cena.
Quer dizer, a professora para além de estar de gabardina deixou entrar dois telemóveis (pelo menos) na sua zona de jurisdição. Quer dizer, erro atrás de erro.
Concluindo:
1. Edifícios degradados
2. Indisciplina generalizada
3. Professores incompetentes
4. Alunos mal educados
5. Concentrações de professores convocadas por telemóveis que não podem ser usados nas aulas
6. Greves de 100.000 profes a exigirem a cabeça da Ministra

E a Lurdecas ainda sonha em fazer qualquer coisa? Avaliar o quê? quem?

Um conselho para a Lurdecas: desiste enquanto não apanhas uma coça de profes vestidos de gabardina. Ou então veste uma armadura medieval com cota de malha e tudo!
QED




De Anónimo a 12 de Novembro de 2008 às 12:38
Eu pedia encarecidamente a esta pessoa que ensinasse a um professor - não, eu não sou professora, sou mãe de alunos e tenho amigos profs - como eliminar os telemóveis na sua sala de aula.
Deveras.
Adorava ouvir que solução tem HB para esta situação.
Concordo com muitas das suas afirmações, e neste caso pontual, o que manifesta sobre o facto deste docente não ter sabido dar-se ao respeito. Mas achincalhar a professora por admitir a presença de tlmvs na sua aula é um «tudo-nada» exagerado, não acha?
Matilde Rebelo
De JC a 24 de Março de 2008 às 16:03
Absolutamente de acordo BH .
Diria mesmo mais: de acordo em absoluto!
É inaceitável uma gabardine daquelas. Ainda se fosse um poncho, ou uma de plástico seria minimamente aceitável, mas uma gabardine à detective dos anos quarenta não. E já repararam? A sala de aulas (é melhor passar a dizer a - saula -nem sequer tem estrado! Como é que uma professorazeca pode ensinar seja o que for sem ser em cima do estrado? Onde já se viu uma saula sem estrado? Será que também é um estigma fascizante? Será para "democratizar" o ensino? Talvez seja, assim os profes não podem falar d'alto com ninguém. É. Acho bem. Imaginem o que diriam do alto das suas gabardinas e do alto do estrado. As filosofias que não se ensinariam!? As saulas não podem ter estrado! Assim é melhor. Também não deviam ter profas de gabardina e já agora, também não deviam ter alunos. Para quê? Para aprenderem a serem estúpidos num call center ou a serem humilhados nas caixas dos Continentes? Assim como assim sempre é melhor não haver alunos. É que se não houverem alunos nas saulas é tudo mais fácil, mais simples e mais barato. Não acham? Então não é verdade que nas caixas dos Continentes nem as contas os deixam fazer?
É a economia estúpidos!
"Tem cartão continente?"
"Não, ainda não"
"Então vá para outra caixa porque esta é exclusiva para quem tem cartão Continente" Ó Belmiro isto é de mais! Tira a gabardina filho que estás todo encharcado! Ainda te constipas.
"Ó mãe a profa tirou-me o celphone e estava de gabardina!"
"E não tinha nada por baixo? Ai a desavergonhada!" Queres ver que ela gosta de abrir a gabardina nos jardim públicos?"
"E a saula não tinha estrado!"
"Belmirinho , vai para o quarto e está calado! Vai ver o Wrestling das cinco"

Ah malandros hipócritas de profes que até agora estiveram muito caladinhos a viverem como parasitas bem vestidinhos de gabardina à detective e agora porque não querem ser avaliados para não se perceberem que não fazem nada, fazem-me estas cenas nas saulas!

Então não vêem que foi tudo encenado?
Onde já se viu uma profe de gabardina à detective?

Então não perceberam que o que a aluna queria era a gabardina?
Qual telemóvel qual carapuça!
De Ben Hur a 24 de Março de 2008 às 16:12
Obrigado JC
Viste-me ontem à tarde na RTP?
Lixei o Messala mais uma vez!
Abraço
BH
De Anónimo a 24 de Março de 2008 às 21:12
Eu vi!
Muito bem arranjado no meio dos cavalos todos!
AH grande Ben Hur!
^^


Rita M.

- P.S. - este comment é positivo, por isso não o interprete mal!
De Afonso Reis Cabral a 24 de Março de 2008 às 22:01
Lá vão começar! Eh eh eh eh
De Anónimo a 24 de Março de 2008 às 23:50
Meu caro e amigo Afonso

Este comment foi positivo, e desfeito de quaisquer más intençoes!
^^

Rita M.
De Ana Alves a 20 de Maio de 2008 às 16:43
bem exa cena man foi mt fora...a miuda devia era ter levado uma boas bofetadas naquela boca...se eu foxe stora nao papava dakilo e espancava a gaja....:P
De Maria Micaela a 23 de Maio de 2008 às 10:47
epaH 'a pala dexa puta agOra nãO pdmx mexer na merda dos teLemOveis nas porcarias das auLas krLhO !!!
havia de ser kmgO , partia'Lhe a bOca tda !!!
Exa stora nãO devia ter bOrradO a cueca , devia ter lhe dado mmu nos cOrnOs !!!
FDX !!! FUCK THE POLICE !!!
aHaHaHaHaH ptr 4ever x'D

Comentar posta

"I should find myself degraded if I descended to finding out if my convictions suited every man in the audience before I uttered them."
John Osborne
in A subject of scandal and concern

.Contribuidores

.Pesquisar:

 

.Últimas postas

. Está morto mas estamos vi...

. A 79 anos da quinta-feira...

. Le Clézio: Nobel da Liter...

. Dois anos!!

. Ai a crise!

. Morreu Dinis Machado

. Animator Vs Animation

. Angústia nas paredes

. Consumidores de gasolina ...

. Chega hoje o Outono

.Arquivos

. Janeiro 2012

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

.Ligações



blogs SAPO

.Tags

. todas as tags

.subscrever feeds