Sexta-feira, 27 de Julho de 2007

Porra para estes exploradores!

Ia eu comprar o livro Foi assim, de Zita Seabra, na Bertrand de um centro comercial, quando dou de caras com um aparatoso estaminé no meio do corredor. A letras garrafais, um placard dizia o seguinte: “Queres ser a próxima estrela? Candidata-te!!”
Tratava-se um casting. Meninas entre os sete e os dez anos corriam para o fotógrafo pela mão das mães, sorridentes e orgulhosas (a frase é ambígua, mas eu esclareço: as mães é que estavam sorridentes e orgulhosas). Maquilhadas até ao osso, as crianças fingiam um sorriso a cair para o choro enquanto o fotógrafo incentivava o esforço.
Luzes e cores berrantes.
O casting tinha como fim a participação numa telenovela. O sonho de uma vida. Não das crianças, claro, essas fazem o que lhes mandam e ainda não têm propósitos. As mães, essas sim, tentavam realizar um sonho à custa das filhas.
Elas, ingénuas, sorriam para a câmara. Isto tem um nome: exploração infantil.


PS - A minha indignação também se aplica ao Governo que contratou "alunos" de uma agência de castings para apresentar o Plano Tecnológico da Educação.

Publicado por Afonso Reis Cabral às 18:10
link para a posta | Comentar | Ver comentários (3)
Quarta-feira, 25 de Julho de 2007

A mais recente forma de discriminação no mundo Ocidental


Disney apaga el cigarro
Publicado por José Tomás Costa às 22:57
link para a posta | Comentar

Qual é o mal de ser deputado e sócio na sociedade de advogados que representa a GALP?...



António Vitorino renuncia ao cargo de deputado.
Publicado por José Tomás Costa às 13:44
link para a posta | Comentar | Ver comentários (4)
Domingo, 22 de Julho de 2007

Splash - Charles Burowski


the illusion is that you are simply
reading this poem.
the reality is that this is
more than a
poem.
this is a beggar’s knife.
this is a tulip.
this is a soldier marching
through Madrid.
this is you on your
death bed.
this is Li Po laughing
underground.
this is not a god-damned
poem.
this is a horse asleep.
a butterfly in
your brain.
this is devil’s
circus.
you are not reading this
on a page.
the page is reading
you.
feel it?
it’s like a cobra.
it’s a hungry eagle
circling the room.

this is not a poem.
poems are dull,
they make you
sleep.

these words force you
to a new
madness.

you have been blessed,
you have been pushed
into a
blinding are of
light.

the elephant dreams
with you
now
the curve of space
bends and
laughs.

you can die now.
you can die now as
people were meant to
die:
great,
victorious,
hearing the music,
being the music,
roaring,
roaring,
roaring.

Publicado por Afonso Reis Cabral às 12:31
link para a posta | Comentar | Ver comentários (1)

Quando o improvável acontece

"Um raio matou, pelo menos, 50 pessoas."

Publicado por Afonso Reis Cabral às 09:18
link para a posta | Comentar | Ver comentários (1)
Sexta-feira, 20 de Julho de 2007

Os "apoios" à natalidade

José Sócrates anunciou ontem um aumento do abono de família e um programa de apoio à natalidade. Os números que anuncia são claramente baixos depois de acabada a ilusão dos anúncios aparatosos...

Vejamos:

90 mil famílias irão beneficiar do apoio à natalidade que cairá a partir do terceiro mês de gravidez até ao nascimento da criança dependendo do seu rendimento;

Sócrates, quando fala em dinheiro, apenas nos diz que 32 das 90 mil famílias irão receber 130 € de apoio, fazendo pressupor que é o tecto máximo do subsídio. Deve dar para cinco embalagens de fraldas, das grandes é claro.

o abono de familia vai também aumentar:

"duplicar o abono de família (...) para segundos filhos e vamos triplicá-los para os terceiros filhos e seguintes."

Até parece bem quando se fala em duplicar e triplicar mas, sabendo que o abono de família anda perto dos 10 € por filho estamos a falar em números ridículos de 20€ e 30€...

Os números podem enganar!

Mesmo com as congratulações de Cavaco Silva, não consigo ver nestas medidas mais do que mera política. Política que pretende deixar sem argumentação aqueles que acusavam o governo de apoiar o aborto mas não apoiar as mulheres.

Fogo de vista é do que se trata.
Publicado por José Tomás Costa às 11:52
link para a posta | Comentar | Ver comentários (2)
Quinta-feira, 19 de Julho de 2007

"Jovens ibéricos", o que é isso?

No contexto das recentes declarações de Saramago, esta manchete do Público puxa a brasa à sardinha:

Jovens ibéricos visitam lugares históricos da Península

Publicado por Afonso Reis Cabral às 15:10
link para a posta | Comentar | Ver comentários (1)

Isto vai de mal a pior

Moscovo expulsa quatro diplomatas britânicos e cessa cooperação antiterrorista com Londres.
Publicado por Afonso Reis Cabral às 15:08
link para a posta | Comentar

Quem fará xeque-mate?

imagem do Kaos

É interessante observar as jogadas no xadrez político do PSD. O essencial é derrubar Marques Mendes, talvez assim o PSD volte aos eixos. Mendes, pura e simplesmente, não tem estatura para o cargo de Presidente do PSD. Não tem estatura política, como se vê com a oposição séria que não tem feito ao governo. Não tem estatura mediática, o que também é importante: não basta ser, é preciso também parecer
Sendo assim, várias figuras apressam-se a entrar no jogo.
Eu gostava que Manuela Ferreira Leite fizesse xeque-mate.
Publicado por Afonso Reis Cabral às 09:10
link para a posta | Comentar | Ver comentários (3)

Casos Jurídicos

Finalmente posso respirar de um certo alívio neste meu primeiro dia de férias. Apesar de muito ocupada, não pude deixar de reparar que se registaram, nos últimos tempos, dois casos jurídicos algo insólitos, daquele tipo que se estuda nos manuais. Vi num jornal o seguinte título, bastante chamativo aliás: "Juíz do Porto descobre que mandar matar a mulher não é crime". O título em si já me incomodou um pouco, porque se alguém tinha sido ilibado após ter mandado matar a mulher certamente haveria uma explicação, e colocar a questão assim só põe o juiz em causa e serve para vender mais jornais. Na verdade o que aconteceu foi que, apesar de se dar como provada a intenção de matar a esposa, e de inclusivé terem sido contratados dois homens russos para o fazer, nada foi feito nesse sentido, uma vez que os imigrantes foram imediatamente à Judiciária. Não havendo sequer tentativa falhada, o juiz não podia, face à lei à qual tem de obedecer, concorde ou não, condená-lo. Mas certamente que depois de saber que estava prestes a levar dois tiros na cabeça a mulher já pode facilmente conseguir o divórcio e a custódia das duas filhas do casal!
O segundo caso passou-se na Beira Interior onde foi decretada prisão preventiva a um indivíduo que, imagine-se!, pegou numa arma para matar o irmão mas não teve pontaria e acertou na pobre da cunhada, que morreu mesmo. É o que se conhece em Direito Penal como "aberratio ictus" ou "erro na execução"...
Publicado por Afonso Reis Cabral às 00:00
link para a posta | Comentar
Quarta-feira, 18 de Julho de 2007

Convite

Amanhã, pelas 21:30, vou ler alguns poemas e textos meus no Clube Literário do Porto. Uma sessão de leitura informal num ambiente acolhedor. Estão todos convidados.
Apareçam!

Clube Literário do Porto
Rua Nova da Alfândega 22
Porto

Publicado por Afonso Reis Cabral às 16:13
link para a posta | Comentar
Terça-feira, 17 de Julho de 2007

Boas notícias

O número de desempregados inscritos nos Centros de Emprego caiu 12,2% em Junho, face ao mesmo período do ano passado, completando 16 meses de quedas, segundo os dados divulgados esta terça-feira pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional.
Publicado por Afonso Reis Cabral às 22:38
link para a posta | Comentar | Ver comentários (1)
Segunda-feira, 16 de Julho de 2007

Saramago e o bolor

Gosto muito do Saramago escritor, gosto muito pouco do Saramago cidadão.
A entrevista que o Saramago cidadão deu ontem ao Diário de Notícias tresanda a mofo. O mofo, ou bolor, é um fungo que tende a aparecer nas coisas velhas, como, no caso dos alimentos, o pão, a fruta podre, mas também pode surgir noutro tipo de materiais como o couro, a madeira, o papel…
Conta-se até que um velho muito velho (daqueles que só existem na mitologia céltica) deixou de se movimentar devidamente e foi “ganhando” bolor, como as restantes coisas que enumerei. A invasão começou pelos olhos secos do senhor, mas logo se propagou pela montanha de rugas, criando pontes filamentosas de um lado ao outro. O busto cedo foi tomado de assalto, assim como o peito que mais parecia uma massa informe de tom branco esverdeado. Só quando todos os centímetros quadrados do corpo do velho estavam a fazer de acampamento ao bolor é que alguém teve a decência de intervir.
Bem, divagações à parte: tudo isto para dizer que o bolor nasce nas coisas velhas e por isso é que a entrevista de José Saramago tresanda.
Continuando. Como já disse, o bolor surge com frequência nos alimentos, quem não viu um pão coberto de uma espécie de névoa branca? E o cheiro, quem não o sente em memória sem deixar de ficar enojado?
Pois bem: as ideias são o pão do espírito e as que alimentam o espírito de Saramago estão cheias de bolor, de tão velhas que são. Era aqui que eu queria chegar. O iberismo que Saramago defende na entrevista que ontem deu ao DN é velho, tão velho como a criação da nacionalidade. Ao longo de oito séculos, foi sucessivamente impingido e contestado. Foi posto em prática durante sessenta longos anos até que D. Luísa de Gusmão proferiu a célebre frase “Antes rainha por uma hora do que duquesa toda a vida.”, instigando assim o marido a lutar pela independência do seu país. E a duquesa, ainda por cima, era espanhola de nascimento.
O iberismo, literalmente tão velho como a Sé de Braga, está caduco.
Em pleno século XXI, José Saramago, Nobel de língua portuguesa, afirma: "Portugal acabará por integrar-se em Espanha." Esta frase, sem qualquer relação com a história, demonstra muito bem que Saramago é um incapaz. Só os incapazes se entregam aos outros para disfarçarem a sua impotência.
Conluindo: Portugal nunca foi nem é incapaz, embora possa gerar impotentes, como é o caso.
Publicado por Afonso Reis Cabral às 16:47
link para a posta | Comentar | Ver comentários (5)

Leitores-em-cadeia

O jogo é assim: um blogger desafia outros cinco a falarem sobre cinco leituras de que gostaram e esses cinco, por sua vez, desafiam outros cinco…
De cinco em cinco, a minha vez chegou pela mão do José Teófilo Duarte. À falta de critério melhor, opto pelos últimos cinco livros que li.

“Oh Jerusalém”, Dominique Lapierre e Larry Collins – Um livro sobre a fundação do estado de Israel. Desde o início da luta fratricida entre árabes palestinianos até ao sonho judeu, passando pelo sentimento de culpa europeu, está tudo nesta fabulosa obra. Isento e muito bem escrito, essencial para quem quer conhecer a história contemporânea do território eternamente cravado de balas que é a Palestina.

“Repórter de Guerra”, Luís Castro – Exemplo de valentia e de bom jornalismo, Luís Castro esteve presente em seis cenários de guerra onde fez inúmeras reportagens para a RTP. Escrito com simplicidade, “Repórter de Guerra” é de leitura rápida que voa ao ritmo das batalhas que o autor vai descrevendo. Quem o lê fica involuntariamente agarrado às páginas.

“O Vendedor de Passados”, José Eduardo Agualusa – Um livro cheio de pinceladas poéticas que constroem uma história original e cativante. Depois de ter lido “Estação das Chuvas” (fabuloso!), “Vendedor de Passados” não fica nada atrás. Um autor que tenciono seguir, pois encontro em José Eduardo Agualusa tudo o que um excelente escritor deve ser.

“A Pirata”, Luísa Costa Gomes – Talvez mais conhecida como contista, Luísa Costa Gomes ficciona a história real de Mary Read num livro límpido como as águas do mar das Caraíbas, onde se desenrola a acção.
Ao fim e ao cabo, uma história de pirataria soft, sem a dureza da prancha e do sangue. Gostei, mas prefiro a macabra fileira de cabeças cortadas que encontro nos livros de Jack London.

"Cartografia de Emoções", Nuno Júdice – Boa poesia que nos agarra pelo enorme lirismo, mas também pela alteração que o estilo dos poemas sofre ao longo do livro.


E o jogo continua... Proponho às seguintes pessoas que revelem as suas leituras:

Pedro Correia
Francisco José Viegas
Daniel Oliveira
João Gonçalves
Miguel Sousa Novais

Se tiverem tempo e paciência, participem neste jogo!

Publicado por Afonso Reis Cabral às 12:55
link para a posta | Comentar | Ver comentários (1)
Domingo, 15 de Julho de 2007

Eu estive aqui

Durante os últimos quatro dias estive nestas magníficas serras com esta vista soberba






Cepos, Arganil
P.S: A vista era fantástica mas o acesso ao resto do mundo limitado. Não tinha rede no telemóvel e não tinha internet...
Publicado por José Tomás Costa às 20:29
link para a posta | Comentar | Ver comentários (2)
Sábado, 14 de Julho de 2007

Cuidados Intensivos

Depois de uma semana de ausência, vejo que o blog está moribundo: ninguém o alimentou!
Estupefacto, corro para o corpo quase inerte e inicio respiração boca a boca. Uns ruídos murmurados e uma leve agitação dizem-me, no meio do desespero, que o blog ainda está vivo.
Depois de me certificar que o blog já não precisa de respiração assistida, telefono para o 112…
…. para minha surpresa, já se houve o grito aflito da ambulância e luzes esbarram, piscando, nos vidros de casa…
Os paramédicos levam o Janelar para os Cuidados Intensivos. Dizem-me que tudo vai ficar bem, para não me preocupar.
Pergunto:
Será conversa de médico?
Será que ainda há salvação?

Publicado por Afonso Reis Cabral às 19:32
link para a posta | Comentar | Ver comentários (2)
Segunda-feira, 9 de Julho de 2007

Parece que estes dois não sabem o que é cooperação estratégica


Sócrates e Durão divergem quanto a nome do tratado
Publicado por José Tomás Costa às 13:47
link para a posta | Comentar
Sexta-feira, 6 de Julho de 2007

"O paraíso progressista a troco da liberdade"

Vale a pena comprar a revista Atlântico deste mês só para ler o artigo de André Azevedo Alves intitulado “O paraíso progressista a troco da liberdade”. Concordo com tudo, sem excepção.
Deixo aqui um cheirinho:

"Infelizmente, os novos sistemas de crenças seculares não primam pelo bom senso, como evidencia a mais recente cruzada ambientalista que se anuncia no Reino Unido. O governo trabalhista está decidido a aplicar uma “estratégia nacional” (uma expressão que, só por si, não augura nada de bom) que promova um “esforço colectivo” para aumentar a reciclagem. Em nome desse “esforço colectivo”, os trabalhistas pretendem punir os cidadãos que não cumpram as metas de reciclagem do lixo estabelecidas pelas autoridades. Para criar condições para a identificação dos prevaricadores, o governo tem vindo a incentivar, através de subsídios às autoridades locais, a instalação de microchips nos contentores de lixo doméstico.
Através do uso combinado de chips, do equipamento de recolha do lixo e de software para tratamento centralizado dos dados sobre a quantidade do lixo não reciclado por cada família, será possível às autoridades britânicas aplicar penalizações a quem não colabore de forma adequada na “estratégia nacional” de reciclagem. Segundo dados mais recentes, há já um universo de três milhões de lares ingleses com contentores de lixo equipados com os microchips.
(…)
Percebe-se agora o quanto é crucial para um Estado de bem-estar que se quer fazer passar por sociedade de bem-estar, prometer a felicidade em troca da perda de liberdade. A obsessão com a reciclagem e o fundamentalismo anti-tabagista são dois exemplos de como o estatismo paternalista assume gradualmente um carácter cada vez mais limitador da liberdade e da privacidade dos indivíduos.”

Este caso, aliado a outros como este, só me faz perguntar, atónito:

Mas estão todos loucos?!
Publicado por Afonso Reis Cabral às 12:07
link para a posta | Comentar | Ver comentários (1)
Quinta-feira, 5 de Julho de 2007

Incongruências



Alterações à lei que regula animais perigosos aprovadas por unanimidade

Aldeão chinês morde cão até à morte

Publicado por José Tomás Costa às 23:30
link para a posta | Comentar | Ver comentários (1)

Poesia breve III - Antes de adormecer

Imagem:
"Noite"

Edward Munch


Há presságios de sonho
Na calmaria adormecida desta noite.
Há móveis que estalam
No compasso dos olhos a fechar.
Há uma brisa incómoda
Na serrania dos lençóis.
Há um restolhar soturno
Num suspiro de sono.

Publicado por Afonso Reis Cabral às 14:03
link para a posta | Comentar | Ver comentários (2)
"I should find myself degraded if I descended to finding out if my convictions suited every man in the audience before I uttered them."
John Osborne
in A subject of scandal and concern

.Contribuidores

.Pesquisar:

 

.Últimas postas

. Está morto mas estamos vi...

. A 79 anos da quinta-feira...

. Le Clézio: Nobel da Liter...

. Dois anos!!

. Ai a crise!

. Morreu Dinis Machado

. Animator Vs Animation

. Angústia nas paredes

. Consumidores de gasolina ...

. Chega hoje o Outono

.Arquivos

. Janeiro 2012

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

.Ligações



blogs SAPO

.Tags

. todas as tags

.subscrever feeds