Terça-feira, 27 de Março de 2007

O grande português (?)

O concurso dos Grandes Portugueses fez correr muita tinta e caracteres. Quase todos tinham uma opinião formada: uns não iam votar porque consideravam uma estupidez e outros votavam no seu grande herói ou então utilizavam o voto útil.
Entre os dois primeiros grupos estive no segundo: votei. E dentro deste voto estava apenas um voto útil...
Já escrevi sobre o assunto desde o início que disse que votaria em Salazar. Da primeira vez votei porque queria ver qual seria a reacção de toda uma sociedade que esconde com uma capa preta toda a época do Estado Novo, da segunda vez votei por voto útil: entre Cunhal(brrrr) e Salazar..., que venha o Sr. Doutor. Fiquei desiludido com o resultado. Não que os 41% seja pouco mas esperava que rebentasse um rebuliço. Mas não... Apenas se ouviu um chiu! aqui e ali.

Esperava sinceramente que este concurso abrisse portas para se falar com seriedade sobre o Estado Novo, sobre o que foi e o que não foi. Acabar com os rótulos e tirar definitivamente de cena as peixeiradas da Odete Santos. Os rótulos de fascismo, os rótulos de atraso económico, e tudo aquilo que impede uma discussão séria sobre essa época. Parece-me a mim que já é tempo de por os dados na mesa e fazer uma análise séria. A nível histórico não conheço nenhum trabalho sério e exaustivo sobre esse tempo. A nível económico os dados que aparecem são poucos e por vezes contraditórios. E a nível político, bem aí nada feito: se alguém quiser estudar a constituição de 1933 na internet não a encontra, tem que ir a um bom alfarrabista e deixar lá a carteira; ainda assim é já difícil falar de Estado Novo sem falar de fascismo, um dos rótulos que falava, quando o regime salazarista não era um regime fascista, mas sim um regime autoritário.

A vitória de Salazar só pode significar que é necessário discutir, analisar e falar sobre o século XX português como ainda não foi verdadeiramente feito: com seriedade e sem pré(-)conceitos...
Publicado por José Tomás Costa às 15:54
link para a posta | Comentar
1 comentário:
De Jose Sousa Pinto a 30 de Março de 2007 às 22:40
Meu caro Afonso,
Como bem sabes sou bastante liberal e aberto, mas ha ocasioes em que penso que a censura nao tem so defeitos...
Podias dizer ao teu amigo que nao houve nenhum rebolico porque a RTP (a isso se viu obrigada) tambem divulgou 2 sondagens cuja amostra era o pais real e, como se sabe, ficou bem demonstrado quem e que os PORTUGUESES acham verdadeiramente grande ou nao!
Um verdadeiro idolo: conseguiu ganhar nao uma mas duas eleicoes (coisa que o personagem nao sabia que existia...), conseguiu o dom da ubiquidade: ser a um tempo o melhor e o pior portugues!.. Fantastico!
A culpa foi toda da RTP ao envolver o ser numa polemica ao nao coloca-lo numa primeira lista de hipoteses ao lado do Zeze Camarinha e da Zita Seabra.

Comentar posta

"I should find myself degraded if I descended to finding out if my convictions suited every man in the audience before I uttered them."
John Osborne
in A subject of scandal and concern

.Contribuidores

.Pesquisar:

 

.Últimas postas

. Está morto mas estamos vi...

. A 79 anos da quinta-feira...

. Le Clézio: Nobel da Liter...

. Dois anos!!

. Ai a crise!

. Morreu Dinis Machado

. Animator Vs Animation

. Angústia nas paredes

. Consumidores de gasolina ...

. Chega hoje o Outono

.Arquivos

. Janeiro 2012

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

.Ligações



blogs SAPO

.Tags

. todas as tags

.subscrever feeds