Segunda-feira, 16 de Julho de 2007

Saramago e o bolor

Gosto muito do Saramago escritor, gosto muito pouco do Saramago cidadão.
A entrevista que o Saramago cidadão deu ontem ao Diário de Notícias tresanda a mofo. O mofo, ou bolor, é um fungo que tende a aparecer nas coisas velhas, como, no caso dos alimentos, o pão, a fruta podre, mas também pode surgir noutro tipo de materiais como o couro, a madeira, o papel…
Conta-se até que um velho muito velho (daqueles que só existem na mitologia céltica) deixou de se movimentar devidamente e foi “ganhando” bolor, como as restantes coisas que enumerei. A invasão começou pelos olhos secos do senhor, mas logo se propagou pela montanha de rugas, criando pontes filamentosas de um lado ao outro. O busto cedo foi tomado de assalto, assim como o peito que mais parecia uma massa informe de tom branco esverdeado. Só quando todos os centímetros quadrados do corpo do velho estavam a fazer de acampamento ao bolor é que alguém teve a decência de intervir.
Bem, divagações à parte: tudo isto para dizer que o bolor nasce nas coisas velhas e por isso é que a entrevista de José Saramago tresanda.
Continuando. Como já disse, o bolor surge com frequência nos alimentos, quem não viu um pão coberto de uma espécie de névoa branca? E o cheiro, quem não o sente em memória sem deixar de ficar enojado?
Pois bem: as ideias são o pão do espírito e as que alimentam o espírito de Saramago estão cheias de bolor, de tão velhas que são. Era aqui que eu queria chegar. O iberismo que Saramago defende na entrevista que ontem deu ao DN é velho, tão velho como a criação da nacionalidade. Ao longo de oito séculos, foi sucessivamente impingido e contestado. Foi posto em prática durante sessenta longos anos até que D. Luísa de Gusmão proferiu a célebre frase “Antes rainha por uma hora do que duquesa toda a vida.”, instigando assim o marido a lutar pela independência do seu país. E a duquesa, ainda por cima, era espanhola de nascimento.
O iberismo, literalmente tão velho como a Sé de Braga, está caduco.
Em pleno século XXI, José Saramago, Nobel de língua portuguesa, afirma: "Portugal acabará por integrar-se em Espanha." Esta frase, sem qualquer relação com a história, demonstra muito bem que Saramago é um incapaz. Só os incapazes se entregam aos outros para disfarçarem a sua impotência.
Conluindo: Portugal nunca foi nem é incapaz, embora possa gerar impotentes, como é o caso.
Publicado por Afonso Reis Cabral às 16:47
link para a posta | Comentar
5 comentários:
De Afonso Reis Cabral a 2 de Agosto de 2007 às 14:18
Caros anónimos,

Obrigado pelos comentários, comentem sempre que assim acharem necessário.
De Anónimo a 26 de Julho de 2007 às 14:43
O fantasma do Iberismo morreu e foi um dos cancros do século XX. Saramago volta a revisitá-lo na pior das alturas e com consequências que podem ser negativas. Podemos não estar bem, mas somos uma nação unida (só desunida pelos compadrios e pelo futebol, coisa que o indígena local muito aprecia, norte contra sul, mas isso é outra conversa). Bernard Shaw já idoso defendeu a monstruosidade do nazismo; Sartre, com os crimes do estalinismo debaixo do nariz, insistiu em não ver a verdade, que muitos levou. Saramago já chéché defende agora o iberismo, para sermos, como alguém aqui disse, “espanhóis de segunda”. Mas lembremos o percurso deste senhor Saramago que pôs o DN sob o jugo odioso, fomentando a precariedade de trabalho e explorando até mais os que lá tentavam a sua sorte. Isto foi em 1979. Estamos em 2007 e volta a fazer das suas, agora querendo nos entregar de bandeja “à nuestros hermanos”. Nunca mais morres? Primeiro, para mim, nunca mais punhas as patas aqui. Segundo: caso tenhas recebido medalhinhas do estado português (ah, certamente deve ter recebido pois nisso somos há muito pródigos: em entregar medalhas a qualquer banana que por aqui aparece). É que nem sequer és comunista: esses ainda acreditam nalguma coisa, ao contrário de ti que és um vendido. És uma porcaria que anda para aí. Defenestramos Miguel de Vasconcellos, conseguindo libertar Portugal de debaixo da manta de retalhos que é a Espanha castelhanizada, Estado ibérico imperialista em que uma Nação domina três outras Nações: Castela dirige, ainda hoje, a Catalunha, o País Basco (que nem sequer é estirpe indo-europeia, quanto mais latina) e a Galiza, irmã de Portugal - irmã de Portugal, ou mesmo raiz do mesmo, porquanto é plausível que se considere Portugal e Galiza como um só povo. É também uma visão, mas não quero voltar ao passado. O que passou, passou. Que não nos tirem o futuro. Muito menos que esse futuro, que tem como único senão, ser sonhado mais do cocretizável, nos seja reirado por um escritor mediano com cara de homem do talho.
De Anónimo a 17 de Julho de 2007 às 23:19
O Sr. Saramago se não está bem tem um remédio fácil: solicita a naturalização a espanha e liberta-se de de uma vez para sempre de Portugal. Com esse remédio liberta também Portugal da sua cidadania, já que a sua presença é só de visita pois há anos que em espanha vive.
Só há uma séria dúvida: será que a espanha o aceita? Quem gosta de traidores?
De Anónimo a 16 de Julho de 2007 às 22:47
estas opiniões "bolorentas" levam-nos a pensar que temos mais responsabilidade de mudança do que gostaríamos...
De pedro a 9 de Fevereiro de 2010 às 18:33
Este Saramago é um vendifo aos castelhanos da prisa, devia ser proibido de entrer em Portugal, e retirar-lhe a nacionalidade.

portugal está pegado de traidores, começando logo no sócrates, ou melhor no iberócrates, e por ai a baixo, o Partido socialista iberista esta repleto deles, os espanhóis compraram-nos, Mario lino, almeida santos, mario soares, luis amado, rui pereira, pina moura, é só traidores.

Mas se um partio alinhado com os castelhanos é mau, dois seria o cumulo, é que no PSD também já os há, e é preciso ver que a facção regionlaista do porto PSD encabeçada pelo senhor Meneses e Aguiar barnco também já está feita com os castelhanos, visto que esta ignóbil criatura de nome luis filipe meneses, para alem de estar casado com uma senhora de ascendencia espanhola veio recentemente defender o ensino do castelhano em portugal desde a primária, este traidor de merda.

Em suma:

Morte á espanha e a castela.

Independencia para a Catalunha, Pais basco e Galiza.

Viva Portugal.

O iberócrates tem que sair do governo, o traidor iberista, o Miguel de vasconcelos do séc. XXI, o cipaio do zapatero, que anda a tentar deividir, endividar e destruir este pais para depois nos empacotar numa federação com sede em Madrid, é isto que sócrates e zapatero andam a fazer na sombra.

Comentar posta

"I should find myself degraded if I descended to finding out if my convictions suited every man in the audience before I uttered them."
John Osborne
in A subject of scandal and concern

.Contribuidores

.Pesquisar:

 

.Últimas postas

. Está morto mas estamos vi...

. A 79 anos da quinta-feira...

. Le Clézio: Nobel da Liter...

. Dois anos!!

. Ai a crise!

. Morreu Dinis Machado

. Animator Vs Animation

. Angústia nas paredes

. Consumidores de gasolina ...

. Chega hoje o Outono

.Arquivos

. Janeiro 2012

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

.Ligações



blogs SAPO

.Tags

. todas as tags

.subscrever feeds